Visualizar em:

Ordernar por:

Estudos já apontaram que a nutrição, e a interação entre os nutrientes, tem um impacto significativo na saúde óssea durante crescimento, desenvolvimento e envelhecimento.

Porém, o estilo de vida moderno, que colabora para uma nutrição inadequada, pode afetar negativamente a oferta de certos micronutrientes importantes para a saúde óssea, como a vitamina D, a vitamina K, o cálcio, o magnésio, o manganês, o zinco, o cobre, entre outros.

Além de uma dieta desbalanceada, a mineralização óssea também está associada à fatores genéticos, álcool, tabagismo, idade, prática de atividades físicas, peso e composição corporal.

Estes fatores, sozinhos ou associados, podem estar relacionados com o desenvolvimento da osteopenia e da osteoporose.

Com relação à idade, a tendência de envelhecimento da população apontada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pelo aumento da expectativa de vida, coloca em pauta a necessidade de investirmos em saúde, qualidade de vida e bem-estar.

Na terceira idade, além do apetite reduzido, a alimentação inadequada pode ocasionar deficiências nutricionais. No processo de envelhecimento, ocorre a perda gradual de massa óssea e muscular.

Sendo assim, a osteoporose e sarcopenia afetam, predominantemente, idosos. É possível que esta população seja afetada pela mobilidade reduzida, fragilidade e fraturas.

A atividade física pode auxiliar na saúde óssea em todas as idades, pois o movimento mecânico do exercício pode estimular a síntese de osteoclastos e os osteoblastos.

Já o sedentarismo pode favorecer a desmineralização óssea. No esporte, as necessidades nutricionais devem ser atendidas para sustentar a massa óssea, protegendo contra as demandas das modalidades e manter um bom desempenho.

É possível exemplificar a importância da dieta adequada na nutrição esportiva: a deficiência de Vitamina D pode aumentar as chances de fraturas ósseas por estresse e lesões musculares.

Além disso, o cálcio é fundamental na contração muscular, força óssea e regulação do batimento cardíaco.

A literatura já evidenciou que a uma combinação de cálcio com vitamina D pode proporcionar benefícios para a redução da incidência de fraturas.

Alguns alimentos ricos em cálcio incluem os laticínios (leite, queijo e iogurte), vegetais folhosos de cor verde‐escuro, legumes, grãos, entre outros.

Já a principal fonte de vitamina D é a exposição da pele à luz solar e radiação UVB. Ambos podem ser consumidos via suplementação, quando necessário

O que é o Osteovance NewNutrition? Para que serve?

O Osteovance NewNutrition é um suplemento alimentar composto por minerais quelatos e vitaminas. A formulação do Osteovance NewNutrition foi elaborada para contribuir com a saúde óssea.

O Citrato Malato de Cálcio, vitamina D3 (colecalciferol), vitamina K2 (MK-7) e os seus minerais quelatos (magnésio, manganês, zinco e cobre) atuam em sinergia para o máximo aproveitamento nutricional.

Busque sempre a avaliação individual e acompanhamento de um médico e nutricionista.

 

Os 8 Principais Benefícios do Osteovance NewNutrition:

  1. A vitamina D e o magnésio auxiliam na formação de ossos e dentes;
  2. A vitamina D auxilia na manutenção de níveis de cálcio no sangue;
  3. O cálcio auxilia na formação e manutenção de ossos e dentes;
  4. A vitamina K e o zinco auxiliam na manutenção dos ossos;
  5. O manganês auxilia na formação de ossos e na manutenção dos tecidos conectivos;
  6. O cobre auxilia na manutenção dos tecidos conjuntivos;
  7. O cobre, zinco e vitamina D auxiliam no funcionamento do sistema imune;
  8. O cobre, zinco e manganês são antioxidantes que auxiliam na proteção dos danos causados pelos radicais livres.

Como tomar o Osteovance NewNutrition? Qual o melhor horário para o consumo?

É indicado consumir 2 cápsulas diariamente, preferencialmente após as principais refeições (almoço ou jantar).

 

REFERÊNCIAS:

Edwards MH, Dennison EM, Aihie Sayer A, Fielding R, Cooper C. Osteoporosis and sarcopenia in older age. Bone. 2015 Nov;80:126-130. doi: 10.1016/j.bone.2015.04.016. Epub 2015 Apr 14.

Chen LR, Hou PH, Chen KH. Nutritional Support and Physical Modalities for People with Osteoporosis: Current Opinion. Nutrients. 2019 Nov 20;11(12):2848. doi: 10.3390/nu11122848.

Goolsby MA, Boniquit N. Bone Health in Athletes. Sports Health. 2017 Mar/Apr;9(2):108-117. doi: 10.1177/1941738116677732. Epub 2016 Nov 30.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017.

Ortega RMª, Jiménez Ortega AI, Martínez García RM, Cuadrado Soto E, Aparicio A, López-Sobaler AM. Nutrición en la prevención y el control de la osteoporosis [Nutrition

in the prevention and control of osteoporosis]. Nutr Hosp. 2021;37(Spec No2):63-66. Spanish. doi: 10.20960/nh.03360.

Pilgrim AL, Robinson SM, Sayer AA, Roberts HC. An overview of appetite decline in older people. Nurs Older People. 201;27(5):29-35. doi: 10.7748/nop.27.5.29.e697.

Salari N, Ghasemi H, Mohammadi L, Behzadi MH, Rabieenia E, Shohaimi S, Mohammadi M. The global prevalence of osteoporosis in the world: a comprehensive systematic review and meta-analysis. J Orthop Surg Res. 2021;16(1):609. doi: 10.1186/s13018-021-02772-0.

Sale C, Elliott-Sale KJ. Nutrition and Athlete Bone Health. Sports Med. 2019;49(2):139-151. doi: 10.1007/s40279-019-01161-2.

 

  • :(Ops!Seu carrinho está vazio